Sexta-feira, 30 de Outubro de 2015

8.1.2005

Mote. Os espertos, como os detesto.

 

...ou melhor: Os espertos, como me aborrecem.

publicado por RAA às 13:04
link do post | favorito
Quinta-feira, 29 de Outubro de 2015

1.1.2006

Miudezas. Foi-me, por vezes, mais gratificante publicar um magro estudo sobre qualquer escritor obscuro, que um trabalho de maior fôlego consagrado a um consagrado. Houve uma compensação interior de estar a fazer alguma justiça a quem penara tanto como muitos autores canónicos para construir uma obra. E a esperança íntima de no futuro alguém espreitar, de tudo não ter sido em vão.

publicado por RAA às 18:43
link do post | favorito

29.12.2005

[Diante duma efígie de Camilo, em papel-moeda] Era porreiro ter na algibeira uma nota de 100 paus.

publicado por RAA às 13:06
link do post | favorito
Quarta-feira, 28 de Outubro de 2015

28.12.2005

[Tentame] As palavras são como as mulheres: há que saber pegar nelas da melhor maneira. O que nem sempre sucede.

publicado por RAA às 18:05
link do post | favorito (1)

22.12.2005

Flopbuster. Admito que o telefilme dos Beatles não tem pés nem cabeça, e que quarenta anos depois, ou quase, será só mais um testemunho da passagem dos fab-four por este mundo de Cristo. Mas isso é, quanto a mim, duma irrelevância a toda à prova, uma vez que o devaneio foi pretexto para que Lennon - a Morsa e McCartney - o Hipopótamo nos dessem temas como o «Magical Mystery Tour», «The Fool oh the Hill» e «I Am the Walrus», além de duas composições menores: uma de Harrison-o Coelho e outra assinada pelos quatro, Ringo vestindo aqui a pele do Galo. Flop, um filme que deu 3 canções 3 que acrescentaram o património artístico ocidental?... O lado B, já fora do filme, com «Strawberry Fields Forever», é superlativo.

publicado por RAA às 13:05
link do post | favorito
Terça-feira, 27 de Outubro de 2015

22.12.2005

A propósito: e o que seria do filme de Michael Curtiz,Casablanca, sem As Time Goes By?

publicado por RAA às 23:14
link do post | favorito

19.12.2005

os dias passam por ele

sem que ele dê pelo passar dos dias por ele

adoece e não sabe que é o fim

abana a cauda e sucumbe

ao tiro no crânio

                           sem espanto

à injecção letal

                           em paz

 

27-I-2003

publicado por RAA às 13:01
link do post | favorito

15.12.2005

Nunca morrer sem ouvir e re-ouvir, muitas vezes, o álbum Louis Armstrong Plays W. C. Handy -- qualquer coisa como o pai do jazz a homenagear e tocar o pai dos blues, músicas que nenhum deles propriamente inventou mas que contribuíram decisivamente para fixar e standardizar. Handy foi também uma espécie de etnomusicólogo, recolhendo e anotando uma série de temas que músicos anónimos negros iam tocando itinerantemente pelo sul dos Estados Unidos, à guitarra e ao banjo, e por vezes ao piano, durante o século XIX e princípios do XX. Este disco é uma jóia, e claro que lá estão aquelas que Eric Hobsbawn (também um grande crítico de jazz) considerou como algumas das melhores composições de Handy: «St. Louis Blues», «Memphis Blues», «Yellow Dog Blues» e «Beale Street Blues», datadas de 1912-16. Armstrong (trompete e voz) está soberbo, acompanhado por Velma Middleton (voz), Trummy Young (trombone), Barney Bigard (clarinete), Billy Kyle (piano), Arvell Shaw (contrabaixo) e Barrett Deems (bateria). Nas preciosas notas da contracapa, George Avakian dá-nos este testemunho do «pai dos blues»: «"I never thought I'd hear my blues like this." W. C. Handy said again and again. "Truly wonderful! Truly wonderful! Nobody could have done it but my boy Louis!"»

publicado por RAA às 09:56
link do post | favorito
Segunda-feira, 26 de Outubro de 2015

13.12.2005

Boa malha. Graças ao Blog da Utopia vi alguns belos trabalhos gráficos de Iskandar Salim, de promoção ao próximo filme do «Homem de Aço», Superman Returns.

Entre eles a representação desta jovial Supergirl, personagem que nos anos cinquenta o pessoal da DC Comics desencantou para animar o solitário Superboy. E aqui, não sei o que mais admire: se o talento de Iskandar Salim, se o seu portentoso nome.

Na época em que a Supergirl foi criada seria certamente essa a graça do vilão de serviço em qualquer aventura a desenrolar-se para as bandas do Oriente: o cruel e perverso (há que carregar bem nos clichés...) Iskandar Salim, salteador dos desfiladeiros do deserto, o terror das guarnições dos postos avançados do Ocidente em terra de infiéis, e outros enredos de «histórias para rapazes», como então por cá se dizia. Hoje, a pura inverosimilhança comic-book Superman, conjugação do cientismo oitocentista com o genuíno kitsch n-americano do século passado, é-nos trazida por um criador gráfico que tem nome de turcomano, de cavaleiro da estepe.

Amazing...

publicado por RAA às 18:51
link do post | favorito

13.12.2005

Debate Alegre-Louçã. De um lado, a assunção de uma vontade, quase de um destino; um pensamento sobre o país, em relação ao qual nos podemos sentir mais ou menos próximos; do outro, slogans, tacticismo, provocação(zinha), dissimulação, demagogia.

publicado por RAA às 13:37
link do post | favorito

.mais sobre mim

.tags

. todas as tags

.pesquisar

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

blogs SAPO

.subscrever feeds