Quinta-feira, 17 de Dezembro de 2015

9.8.2006

O gosto entornado e os príncipes-sapos. Há gente sem arranjo, estragada. Por mais que nela apostemos, por maior que seja a nossa indulgência, acaba sempre por ficar aquém das nossas expectativas, acaba sempre por desiludir. Estou a lembrar-me dum pobre poeta de gosto entornado, coitado. Nunca deixará de ser o companheiro, amigo, palhaço desta vida. Ao invés, sei de pessoas com o plebeísmo estampado no rosto, alguma rudeza de modos, até, que acabam por revelar-se uns príncipes na finura das suas opções estéticas, na coragem de gostar pelas próprias cabeças.

publicado por RAA às 18:28
link do post | favorito (1)

.mais sobre mim

.tags

. todas as tags

.pesquisar

.Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
24
25
26
28
29
30
31

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

blogs SAPO

.subscrever feeds