Quinta-feira, 1 de Outubro de 2015

30.11.2005

His holy modal majesty. Mike Bloomfield. Há blues branco? Pergunta disparatada. Basta ir às discotecas com a respectiva secção para vermos que nem todos os músicos têm a tez escura... Há blues branco, há blues europeu (de John Mayall a Rory Gallagher), há blues tão branco que até é tocado por albinos, como é o caso de Johnny Winter, colaborador de eleição de Muddy Waters... Bloomfield foi um judeu de Chicago -- cidade dos blues, portanto --, guitarrista de outro judeu importante, um Zimmermann mais conhecido por Dylan; enquanto tal, é seu o dedilhar (também) eléctrico no álbum Highway 61 Revisited e na mítica «Like a rolling stone». Viveu e morreu num tempo que se esteve razoavelmente nas tintas para os blues; e ele respondeu com a progressiva degradação artística (faria música para filmes porno), e física, até ser encontrado morto por overdose no seu automóvel, ainda não completara os 38 anos. A ouvir, oh a ouvir!

publicado por RAA às 22:49
link do post | favorito
Sábado, 1 de Agosto de 2015

23.10.2005

Night In The Ruts. Em 1979, os Aerosmith preparavam-se para entrar no vigésimo ano de existência. Em 2004 publicaram um álbum de covers , Honkin' on Bobo, uma revisitação a um património blues que nunca lhes foi alheio. Hoje quero falar deste meu LP, datado daquele ano. Primeiro, porque é do melhor bluesy-hard-rock americano da época, ainda muito pouco contaminado pela tralha mtv; depois, porque marca um fim de ciclo, a fase final dessa inocência do grupo de Boston, puros músicos duma certa América. Esta é a formação clássica dos Aerosmith, um quinteto composto por Steven Tyler (voz, harmónica, piano), Joe Perry (guitarras), Brad Whitford (guitarras), Tom Hamilton (baixo) e Joey Kramer (bateria). Tyler e Perry são dois executantes e dois compositores de excepção, funcionando regularmente em dupla. Nos nossos dias são peças do star system musical, mas do mais competente, mesmo assim, que este sistema tem. O mergulho nos blues e nos espirituais negros acima referido, mostra-nos essa fidelidade às raízes musicais.

Raízes que acabam por não ser exclusivamente americanas, como sabemos, através de um normal processo de transferência cultural. Quando grupos ingleses como os Beatles, os Rolling Stones, os Animals ou os Led Zeppelin -- que tinham bebido na música negra americana, dos blues ao rock, de Muddy Waters a Chuck Berry --, quando estes bifes talentosos penetraram nos Estados Unidos, influenciando uma série de jovens músicos desse lado do Atlântico, alguns deles aprenderam bem a lição e devolveram com acrescento o que os não menos jovens mestres europeus lhes haviam transmitido.
Night in the Ruts é, neste contexto, exemplar disso mesmo: do puro blues de «Refer head woman», com Tyler a evidenciar as excelentes capacidades na harmónica, até «No surprise», um r'n'b muito stoniano. O disco tem todo ele um pedal que passados estes anos continua a entusiasmar-me: por exemplo as guitarras poderosas de Perry e Whitford, um nada negligenciável guitarrista de apoio, em «Chiquita», «Three mile smile», «Remember (walkin in the sand)», e «Think about it» (mais covers, mais blues...), em que se percebe porque razão Joe Perry é um dos grandes lead guitarrists de toda a história do rock; e porque para além da pose que tanto encanta as adolescentes Steve Tyler (tem o carisma do cantor, ele é o rosto dos Aerosmith, tal como Jagger o é para os Stones e Bono para os U2), evidencia uma espantosa capacidade vocal, quase diria gutural, que se estende até ao que parece ser o limite das suas cordas vocais -- mas sem exibicionismo, pelo menos nesta fase ainda, antes com autenticidade.
Como circula cá em casa uma aerofã, a minha filha Joana, com todos os cd's de originais deles (teve inclusive o desplante de desdenhar do velho LP do seu velho pai, comprando o respectivo cd!...), posso dizer que embora os Aerosmith registem na sua discografia muitos e bons álbuns, todos eles com músicas marcantes, de «Dream on», do primeiro disco, Aerosmith (1973), a «Same old song and dance», de Get Your Wings (1974), passando por «Dude (looks like a lady)», de Permanent Vacation (1987), e por «Janie's got a gun», de Pump (1989), entre tantas outras ao longo destas décadas, apesar disso Night in the Ruts é um dos seus melhores trabalhos. Rock'n'roll?, hard-rock?, hard-blues? Who cares... It's only rock and roll, and I like it.
publicado por RAA às 02:17
link do post | favorito

.mais sobre mim

.tags

. todas as tags

.pesquisar

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

blogs SAPO

.subscrever feeds