Terça-feira, 16 de Junho de 2015

15.8.2005

Memories can't wait. Muito novaiorquinos, apesar da escocência do «líder», os Talking Heads estiveram numa linha de rock de vanguarda característica da big apple, já frequentada por gente como os Velvet Underground, e continuando a sê-lo por outra, como Nick Cave. Todo inglês, assombrava-me menos a novidade que eles indubitavelmente representaram -- principalmente com o concurso, na produção, do britânico Eno --, e mais a personagem David Byrne, na altura pelas vocalizações alucinadas que, não sendo dele específicas, lhe calhavam muito bem. Aliás, os Talking Heads eram Byrne, como os Boomtown Rats foram Geldof, os Uriah Heep, Hensley ou os Jethro Tull, Anderson -- bandas de um homem só, com os seus instrumentistas que, nalguns casos, quase que funciona(va)m como assalariados. E por falar em bandas de um homem só, é notável a influência que Byrne e os Talking Heads acabaram por ter em Robert Fripp, dos King Crimson, músico de mão-cheia, com muito mais anos de estúdio e de estrada. Compare-se Fear of Music (1979) e Discipline (1981), por exemplo faixas como «I Zimbra» (onde o próprio Fripp colabora com a sua guitarra) e «Thela Hun Ginjeet»; repare-se na forma quase imitativa do vocalista de ocasião, Adrian Belew. Posto isto, não hesito em apontar Discipline como um álbum um pouco superior a Fear of Music.

publicado por RAA às 22:30
link do post | favorito
Sexta-feira, 24 de Abril de 2015

11.6.2005

Different strings. Quando pensava que o chamado rock progressivo, tão da minha predilecção, já havia dado tudo quanto tinha para dar, por exaustão, por autoplágio ou simplesmente por natural deriva para outras realidades sonoras (v.g. Gabriel, Hammill, Fripp), apareceram-me uns canadianos de Toronto -- aliás, já com meia dúzia de anos de estrada -- e um álbum intitulado sintomaticamente Permanent Waves (1980), como a querer dizer que havia mais rock para lá da new wave (enfim, já ela então também agonizante, ou em mudança). Guitarra potente, baixo criativíssimo com laivos jazzísticos, bateria pronta para tudo, sintetizadores q.b., voz adequada e facilmente identificável. Não me canso de os ouvir, desde essa época.

 
publicado por RAA às 13:00
link do post | favorito

.mais sobre mim

.tags

. todas as tags

.pesquisar

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

blogs SAPO

.subscrever feeds